Evaluation of the Interference Caused by PICC in Measuring Resistance/Reactance by Bia in Newborns

  • Helen Cristine De Valmont Professional Master’s in Maternal-Child Health, Federal Fluminense University, Brazil
  • Rebecca da Silva Sales Vieira Student at the School of Medicine, Federal Fluminense University, Brazil https://orcid.org/0000-0002-3173-693X
  • Alan Araújo Vieira Maternal-Child Department, Federal Fluminense University, Brazil
Keywords: electrical impedance, newborn, body composition, peripherally inserted central venous caheter

Abstract

Objetivo: Avaliar a interferência da presença do cateter central de inserção periférica (PICC) na medida da resistência (R) e reatância (Xc) em recém-nascidos pelo método da bioimpedância. Métodos: Estudo prospectivo, randomizado, cross-over, no qual foram comparadas as medidas de R e Xc medidas pela BIA. As medidas foram realizadas antes e após a inserção do PICC no membro superior direito em sequência imediata. O cálculo do tamanho da amostra (55 RN) foi realizado considerando uma diferença de 10% do valor médio de R e Xc encontrado em estudos anteriores (60 e 5 ohms, respectivamente), ambos com erro alfa de 5% e erro beta de 10%. . As variáveis ​​foram comparadas por meio do teste t pareado e foi adotado nível de significância de 0,05. O trabalho foi submetido e aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa. Resultados: Não foi encontrada diferença entre os valores de R (721±172 vs 744±199 - p-valor: 0,085) e os de Xc (45±25 vs 40±13 - p-valor: 0,060) medidos antes e após a inserção do PICC no membro superior direito dos recém-nascidos estudados. Conclusão: A presença do PICC não alterou os valores de R e Xc, permitindo assim a utilização dessa técnica na UTI neonatal, mesmo em RN que necessitem do PICC.

 

References

Barbosa, C.N. (2012). Avaliação da composição corporal dos recém-nascidos a termo, adequados, pequenos e grandes para a idade gestacional. Rio de Janeiro, 2012. Dissertação (Mestrado em Saúde da Criança e da Mulher) - Instituto Fernandes Figueira, Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Bianchi-Sand, S. (2003). Its takes a time to prevent errors: experts call for a team approach to safety. Am J Nurs, 103(12), 89-90.

Brock, R. S., & Falcão, M. C. (2008). Avaliação nutricional do recém-nascido: limitações dos métodos atuais e novas perspectivas. Revista Paulista de Pediatria, 26(1), 70-76.

Butte, N.F., Hopkinson, J.M., Wong, W.W., Smith, E.O., & Ellis, K.J. (2000). Body composition during the first 2 years of life: an updated reference. Pediatric Research, 47, 578-85.

Comym, VC, Macedu, YS, Neves, EK, Bueno, AC, Fernandez, HC, Moreira, ME, et al. (2016). Interference of heart and transcutaneous oxygen monitoring in the measurement of bioelectrical impedance analysis in preterm newborns. Jornal de Pediatria (RJ), 92(5), 528-531. doi: 10.1016/j.jped.2016.01.009.

Eickemberg, M., Oliveira, C.C., Rori, A.K.C., & Sampaio, L.R. (2011). Bioimpedância Elétrica e sua aplicação em avaliação nutricional. Rev. Nutr. Campinas, 24(6).

Johnson, M.J., Wootton, S.A., Leaf, A.A., & Jackson, A.A. (2012). Preterm birth and body composition at term equivalent age: a systematic review and meta-analysis. Pediatrics, 130(3), e640-649.

Kyle, UG, Bosaeus, I, De Lorenzo, AD, et al. (2004). Composition of the ESPEN Working Group. Bioelectrical impedance analysis--part I: review of principles and methods. Clinical Nutrition, 23(5), 1226-43. doi: 10.1016/j.clnu.2004.06.004.

Lucas, A. (2005). Long-term programming effects of early nutrition -- implications for the preterm infant. Journal Perinatology, 25(Suppl 2), S2-6. doi:10.1038/sj.jp.7211308.

Marano, Daniele, et al. (2020). Evaluation of anthropometric equations developed to estimate neonates’ body composition: a systematic review. Ciência & Saúde Coletiva, 25(7), 2711-2720. doi: 10.1590/1413-81232020257.26982018.

Moreira, M.E.L., Lopes, J.M.A., & Carvalho, M. (2004). Manuseio hidroeletrolítico no recém-nascido em O recém-nascido de alto risco - Teoria e prática do cuidar. Editora Fiocruz, Rio de Janeiro, 91.

Pinto, E., Oliveira, A.R., Alencastre, H., & Lopes, C. (2005). Avaliação da Composição Corporal na Criança por Métodos não Invasivos. Serviço de Higiene e Epidemiologia, Faculdade de Medicina do Porto, 19(1).

Sainz, R.D., & Urlando, A. (2003). Evaluation of a new pediatric air-displacement plethysmography for body composition assessment by means of chemical analysis o bovine tissue phantoms. The American Journal of Clinical Nutrition, 77(2), 364-370.

Sant’anna, M.S., Priore, S.E., & Franceschini, S.C. (2009). Métodos de avaliação da composição corporal em crianças. Revista Paulista de Pediatria, 27(3), 315-321.

Savino, F, Cresi, F, Grasso, G, Oggero, R, & Silvestro, L. (2004). The Biagram vector: a graphical relation between reactance and phase angle measured by bioelectrical analysis in infants. Annals of Nutrition and Metabism, 48(2), 84-9. doi: 10.1159/000077042..

Secoli, Regina, S, & De Jesus, E.V.C. (2008). Complicações acerca Do Cateter Venoso Central De inserção periférica (PICC). Ciência, Cuidado e Saúde, 6(2), 252-260.

Tanabe, R.F. (2010). Valores de referência do vetor de bioimpedância elétrica corporal total em lactentes e pré-escolares. Fundação Osvaldo Cruz, Instituto Fernandes Figueira, Dissertação, Orientadora: Maria Ignez Capella Gaspar Elsas. Co-orientadora: Eloane Gonçalves Ramos, Rio de Janeiro.

Wells, J.C.K. (2001). A critique of the expression of pediatric body composition data. Archives of Disease in Childhood, 85, 65-72.

Published
2023-12-01
How to Cite
1.
Valmont HCD, da Silva Sales Vieira R, Araújo Vieira A. Evaluation of the Interference Caused by PICC in Measuring Resistance/Reactance by Bia in Newborns. NHSJ [Internet]. 2023Dec.1 [cited 2024Feb.21];3(4):372-6. Available from: https://nhs-journal.com/index.php/nhs/article/view/259